Pesquisar este blog

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Questões sobre a existência


**Questões sobre a existência (by Kraudião)

O que fica em nós quando alguém admirado
Parte dessa vida para uma outra existência?
Memórias boas de um tempo vivido,
Sensações intensas latentes no coração,
Acontecimentos recordados da convivência,
Saudades vívidas em datas precisas.

Como lidar com ausência física
Do contato sensorial perdido?
Abraços apertados em cada encontro,
Beijos estalados carinhosos e divertidos,
Cumprimentos sacanas e respeitosos,
Piadas e gracejos repetidos pela diversão,
Bem estar percebido logo ali do nosso lado.

O que fazer para nunca deixar o tempo
Apagar essas velhas memórias saudosas?
Sintonizar nas coisas boas da convivência,
Vibrar positivamente ao perceber sua presença,
Compartilhar sem dúvidas este amor incondicional,
Agradecer a visita astral de forma benevolente,
Refletir força, sabedoria e beleza sem igual.

Como acessar conscientemente esta
Infinita condição da nova existência?
Através da oração e sintonia espiritual,
Mergulhando profundo no autoconhecimento,
Libertando a alma para esta conexão divina,
Meditando para saber ouvir sem limitação,
Vibrando na mesma frequência do passamento,
Contemplando o portal sagrado do firmamento.

Enfim, seja qual for a experiência de contato,
A afinidade irá atrair e manter a coesão.
Sentimentos que alimentam a genuína amizade,
Laços afetivos que não se desfaz noutra dimensão,
Amor inconteste da beleza e sinceridade criada
Quando estas duas almas se encontraram.

Cruzaram-se no caminho da mesma encarnação,
Fraternos e sinceros amigos em tão pouco tempo,
Um convívio entrecortado pelas desventuras da vida,
Desencontros temporais de um cotidiano atribulado.
Mas nada que impeça a imortalidade das lembranças,
Atemporalidade presente que logo ali nos fará reencontrar,
Enquanto isso...vivenciamos saudosos nossos encontros astrais,
Pois alma desperta e renascida sabe o que é imortalidade,
Bem como as diversas moradas sagradas da existência!

Salvador-BA, 02 de Abril de 2014.

** Dedico estes versos ao saudoso amigo Marcelo Palmeira Junqueira-Ayres que hoje estaria completando 72 anos de idade.