Pesquisar este blog

domingo, 25 de novembro de 2012

Mar de incertezas


Mar de incertezas(por: Kraudião)


Nas profundezas do meu ser
Existe um mundo de estrelas, sereias,
algas verdes-azuis.

Nas profundezas do meu ser
A água é transparente e muito caliente,
Às vezes com correntezas muito forte,
Ondas espumantes e muita vontade de realizar.

Nas profundezas do meu ser
Nem sempre o mar tá pra peixe,
Nem sempre caem certezas ou
felicidades na minha rede,
Mas espero e deixo a maré vazar.

Nas profundezas do meu ser
Diversas são as formas das coisas,
Muitos são frutos da minha imaginação
Pra lá de criativa.
Em outros momentos são só pensamentos
Que insistem em se materializar e
Me levar para zonas abissais.

Nas profundezas do meu ser
São cardumes de atividades que navegam
Indo e vindo no meu dia e/ou durante semanas.
São pedras cortantes que quase sempre
Deixam marcas visíveis em minha pele,
Outras vezes são cicatrizes que voltam a abrir
Turvando a minha visão.

Nas profundezas do meu ser
Caravelas urticantes queimam em minhas
Memórias ardentes de um passado quase remoto,
E que vem um dia como uma onda que sempre volta.

Nas profundezas do meu ser
O mar nem sempre é calmaria e a maresia vem azeda,
A transparência do que sinto volta a se turvar e
Preciso mergulhar bem fundo, abandonando
A superfície das coisas antes cheias de fantasias.

Nas profundezas do meu ser
Ainda quero ter uma sereia encantada que
Um dia foi abençoada por Netuno.
Aquele a quem sempre recorro,
Quando dos meus pensamentos tsunâmicos,
E quero encontrar meu centro, meu porto.
Ele é meu norte guiando-me pela rosas dos ventos.

Nas profundezas do meu ser
Quero encontrar um mar de almirante,
Ainda preciso de fôlego para ir nesse mergulho
Tão dentro de mim.
E então não serei mais um peixe fora d´água,
A procura de um rumo certo e definitivo,
Saberei que existem outras vidas além desse horizonte,
Outras possibilidades que agora ainda não arrisco a ousar.

Nessa imensidão de mar, hoje com algumas incertezas,
Ultrapassarei os limites dessa dimensão.
Largura para abarcar equilibradamente minhas relações,
Profundidade para encontrar o meu centro e saber quem eu sou,
E altura suficiente para olhar do alto para baixo sem esquecer minha origem,
E debaixo para cima para nunca mais esquecer para onde devo caminhar.

Salvador-Ba, 25 Novembro 2012.