Pesquisar este blog

sábado, 22 de novembro de 2014

O que é o amor.


O  que é amor (by Kraudião)

Tolo eu fui quando quis lhe
impor meus termos e condições.
Te exigir mudanças radicais
em teu ser sob pressões insanas.
Achando que com isso me
adequaria a você em seu viver.
E assim viveríamos bem melhor
e mais perto um do outro.
Mas hoje reflito que pouco entendia
o que é a vida em revelação.
Percebo o quanto já cresci
e posso ainda muito mais,
Venho descobrindo dia a dia
este tal de amor incondicional.

Ansioso fui quando corri muito para
não perder os momentos que desejei.
Estressado quando via o tempo passar
sem a planejada produtividade esperada.
Oportunidades que escorriam
pelos dedos das minhas mãos,
mas que sempre ficavam vazias
sem nada segurar.
Novos planos e metas reestruturadas
para não desesperar com as tarefas
postergadas para um breve futuro.
Então, hoje reflito que pouco entendia
o que é a vida em pura ação.
Percebo o quanto já cresci e
posso ainda muito mais,
Venho descobrindo dia a dia
este tal de amor atemporal.

Gratificado eu sou quando
olho ao meu redor e
percebo os amigos amoráveis,
bondosos, solícitos e disponíveis que tenho.
Suporte incansável durante todos
os anos da minha vida até aqui,
nesta encarnação que agora desfruto.
Honrado fico por eles e pela família que tenho
na forma mais próxima ou não de contatos
relacionais afetivos cotidianos.
Pleno vou ficando pelas demonstrações
gratuitas de carinho, admiração e amor por mim
Elas que são reincidentes por aqueles
do meu convívio pessoal, profissional e espiritual.
Enfim, hoje reflito que muito já entendo
o que é a vida de relação.
Percebo o quanto já cresci e
posso ainda muito mais,
Venho descobrindo dia a dia
este tal de amor fraternal.

Agora mais do que nunca vou me conhecendo
quando sinto que minha alma mais sensível,
desperta e renascida nas Leis Naturais.
Concebe que tudo uma hora se a
presenta com experiências místicas
diretas, corretas e completas para cada um de nós.
Uma explosão de sentimentos
na necessidade de sentir sem ti.
Uma comunhão do relativo temporal
 com o mais absoluto vazio.
Uma plenitude tamanha que quero
repartir com todos vocês.
Uma gratidão explícita de cada
partícula do meu ser em estar
aqui e agora tentando
transcrever o inenarrável.
Uma identidade imensurável de que
todos realmente somos um.
Portanto, hoje reflito tudo que sinto
sobre uma vida sem equação.
Percebo o quanto já cresci e
posso ainda muito mais,
Venho descobrindo dia a dia
este tal de amor imortal.



Salvador-BA, 22 de Novembro de 2014.