Pesquisar este blog

sábado, 15 de janeiro de 2011

A carência


A carência (por:kraudião)

A carência gerou expectativas sobre o amor.
Ao amor muito benevolente conseguiu aplacar as expectativas, mas não a carência.
Esta, mais uma vez, solicitou amor.
Foi quando o amor sinalizou que o problema estava nas expectativas que sempre a deixava carente.
A expectativa se defendeu e acusou a carência de alimentá-la o tempo todo, incessantemente.
Aí o amor entendeu que a carência não percebia mesmo, o quanto sempre esteve presente e disponível para ela.
Mas esta nunca ficava satisfeita com o amor.
Porque estava constantemente na expectativa de que o amor fosse algo muito diferente.
Até que um dia, o amor se transfigurou em expectativas para que a carência pudesse reconhecê-lo.
Ainda assim, ela duvidou do jeito daquela expectativa. Pois, nunca havia experimentado algo tão próximo, carinhoso e paciente.
Foi aí que o amor se revelou e inundou a carência do mais puro e verdadeiro amor.
Aquele que nunca cobra, condena, julga ou barganha...
Pela primeira vez na vida, a carência ficou sem nenhuma expectativa.
Pois havia experimentado o amor incondicional como ninguém mais conseguira explicar.
E foi muito feliz para sempre...

Salvador-Ba, 15 de Janeiro de 2011.